05 julho, 2011

Continua capítulo anterior: Ele deixou a carpintaria!!

Passara incontáveis horas de alegria ali. Naquele chão empoeirado ele brincou e engatinhou enquanto seu pai trabalhava. Foi ali que José o ensinou a segurar um martelo. Foi naquela bancada que ele construiu sua primeira cadeira.
Imagino o que ele pensou ao dar a última olhada na sala. Talvez tenha parado por um instante na bancada, olhando para a pequena sombra projetada pelo cinzel e os cavacos de madeira. Talvez tenha prestado atenção nas vozes do passado que-
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
enchiam o ar. Fico pensando se ele hesitou, Se seu coração estava partido. Se segurou algum prego nas mãos, antevendo a dor que sentiria...
A partida deve ter sido difício. Afinal de contas, a vida de carpinteiro não era ruim.
Não era ruim mesmo. Os negócios iam bem. O futuro era brilhante, e o trabalho era agradável... Fico pensando se ele quis ficar. "Poderia fazer um bom trabalho aqui em Nazaré. Estabelecer-me nesta cidade. Ter uma família. Ser líder da-
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~comunidade. Penso assim porque sei que ele já havia lido o último capítulo.
Ele sabia os pés que se afastariam da sombra segura da carpintaria não descansariam até que fossem perfurados e pregados numa cruz romana. Sabe, ele não precisava partir. Ele tinha escolha. Poderia ter permanecido. Poderia ter ficado de boca fechada. Poderia ter ignorado o chamado ou no mínimo deixado para depois. E, se tivesse optado por ficar, quem saberia? Quem o culparia?
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Mas o coração não o deixaria fazer isso. Se houve alguma hesitação da parte de sua humanidade, ela foi vencida pela compaixão de sua divindade. Sua divindade ouviu as vozes. Sua divindade ouviu o clamor desesperado do pobre, as acusações amargas do abandono, O desespero da incerteza daqueles que tentam salvar a si mesmos. E sua divindade viu os rostos. Alguns franzidos. Alguns chorosos.
Alguns ocultos por trás do véu. Alguns obscurecidos pelo medo! Alguns siceros em sua busca! Alguns pasmos diante do tédio! do rosto de Adão á face da criança que-
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
nasceu em algum lugar do mundo enquanto você lia estas palavras, ele viu a todos.
E você pode estar certo de uma coisa. Dentre as vozes que ecoaram naquela carpintaria em Nazaré, estava a sua voz. Suas orações silenciosas, feitas num travesseiro manchado de lágrimas, foram ouvidas antes mesmo de serem feitas.
Suas dúvidas mais profundas sobre morte e eternidade...Ele partiu por sua causa.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
E por toda a humanidade que estava condenada a morte eterna, Atraveis do sacrifício do Messias é que fomos redimidos, fomos comprados por preço de sangue E morte em cruz: Te agradecemos Senhor Jesus Cristo, não só pelo grande sofrimento por mim, Mais por teres também ressucitado ao terceiro dia e está VIVO intercedendo por nós por todos os pecadores "ALELUIA!!
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial